Cuidado Infantil

Consulta pública vai atualizar o Guia Alimentar para Crianças de até 2 anos; participe

 | 

Amamentar até que idade? Quando começar a dar alimentos? Que alimentos posso oferecer ao bebê? Essas são algumas das inúmeras dúvidas que surgem com a chegada de um novo integrante à família. Para ajudar pais e responsáveis, foi criado, em 2002, o Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois anos. Neste ano, o documento será atualizado. O material está em consulta pública até 25 de agosto e você também pode participar. Basta clicar nas áreas destacadas a seguir e você terá acesso ao Guia e ao formulário de consulta.

De acordo com o Ministério da Saúde, os dois primeiros anos de vida são decisivos para o crescimento e o desenvolvimento adequado da criança e também para a formação de hábitos e para garantir saúde durante toda a vida. “A alimentação tem papel fundamental em todo esse processo”, ressaltou a pasta.

Leia também: Introduzindo novos alimentos à dieta do bebê. O que oferecer primeiro?

Guia alimentar - Marcelo Camargo - ABr

O aleitamento materno deve ser exclusivo até o bebê completar seis meses; após esse período pode continuar como complemento alimentar – foto: Marcelo Camargo/ABr

A nova edição do documento está alinhada com o Guia Alimentar para a População Brasileira e traz recomendações sobre a alimentação das crianças nos dois primeiros anos de vida, para promover saúde, crescimento e desenvolvimento. “O guia alimentar pretende ser um apoio à família no cuidado cotidiano às crianças, tanto nos momentos de dúvida, durante o aleitamento materno, como no enfrentamento aos desafios cotidianos, no estímulo à prática da cozinha e do comer juntos”.

Leia também: Contra obesidade infantil: educação alimentar será incluída no currículo escolar

A atualização Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois anos deve subsidiar ações de educação alimentar e nutricional em âmbito individual e coletivo no Sistema Único de Saúde (SUS) e em outros setores. “É essa a perspectiva, apresentar as informações necessárias para incentivar, apoiar, proteger e promover a saúde e a segurança alimentar e nutricional da população menor de 2 anos de idade”, disse o ministério.

Paula Laboissière
Agência Brasil

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *