Bem-estar

Até 50% das crianças com paralisia cerebral também apresentam epilepsia

 | 

A Paralisia Cerebral (PC), cujo termo médico é encefalopatia crônica não progressiva, é uma desordem neurológica que afeta o cérebro em desenvolvimento. Dependendo da gravidade das lesões e das áreas atingidas, as crianças afetadas podem apresentar um quadro de epilepsia em conjunto com a paralisia cerebral.

Segundo a neuropediatra Andrea Weinmann, a paralisia cerebral é causada por lesões no cérebro que podem ocorrer na vida intrauterina, durante ou após o nascimento. Essas lesões aumentam o risco de atividades nervosas anormais no cérebro, que podem resultar em crises de epilepsia.

“Entretanto, embora a paralisia cerebral seja um fator de risco para a epilepsia, estudos apontam que a concomitância destas condições é mais prevalente em crianças que apresentam dois tipos específicos de PC, como a tetraplegia espástica e a diplegia espástica”, explica a doutora Andrea.

Leia também: Exames por imagens podem ser risco para crianças, alertam pediatras

Tetraplegia e diplegia espástica: entenda melhor

O termo tetraplegia é usado quando há perda dos movimentos das pernas, braços e do tronco. A intensidade dessa perda pode ser diferente de paciente para paciente, variando desde fraqueza até a perda total da capacidade de movimento, incluindo a respiração. Já o termo diplegia é usado quando apenas os membros (braços e pernas) de um lado do corpo apresentam déficit total ou parcial de movimentos.

“Além do déficit motor, essas crianças apresentam lesões nos neurônios motores superiores, responsáveis por enviar mensagens químicas para a contração dos músculos voluntários do corpo. Assim, os músculos se tornam mais rígidos, pois perdem a capacidade de contrair e de relaxar de forma alternada. Esta condição é chamada de espasticidade”, explica a neuropediatra.

“Observamos que as crises de epilepsia em crianças com diagnóstico de paralisia cerebral tendem a ter um início mais precoce, ainda no primeiro ano de vida ou até mesmo no primeiro mês após o nascimento. Além disso, são mais comuns em quadros de PC que envolvem deficiência intelectual ou em crianças com graus mais severos de paralisia cerebral”, comenta Andrea.

Leia também: Adoções necessárias: projeto quer aproximar famílias de crianças sem lar

Prognóstico
A criança com paralisia cerebral e epilepsia deve ser acompanhada por uma equipe multidisciplinar, sendo o médico neurologista infantil especialista nas duas condições.

“O tratamento pode envolver uma série de recursos, como medicamentos para controlar as convulsões no caso da epilepsia, por exemplo. Em relação à paralisia cerebral, recursos como fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional podem contribuir para a melhora dos déficits motores, intelectuais e da fala”, diz a neuropediatra.

Cirurgia pode tratar a epilepsia?

Nos últimos anos, os tratamentos para a epilepsia evoluíram bastante e hoje há algumas opções para controle das crises epiléticas refratárias, ou seja, aquelas que não melhoram com o uso de medicamentos. Um destes tratamentos é a Terapia de Estimulação do Nervo Vago (VNS).

“Trata-se de um implante de um gerador de pulsos elétricos programáveis, que fica ligado a eletrodos que são conectados ao nervo vago cervical esquerdo. Podemos comparar o gerador a um marca-passo. Depois do implante, esse dispositivo irá enviar impulsos elétricos para o cérebro por meio do nervo vago para evitar as crises epiléticas. Segundo estudos, há redução de até 90% das crises”, comenta o neurocirurgião Iuri Weinmann.

Prevenção
Apesar dos avanços da medicina, a paralisia cerebral não tem cura, embora possa ter tratada para oferecer à criança oportunidades de desenvolvimento e uma melhor qualidade de vida.

A gravidez, o parto e o pós-parto são momentos cruciais para o desenvolvimento do cérebro. O ideal é realizar exames antes de engravidar para diminuir o risco de intercorrências durante a gestação. Algumas causas conhecidas de paralisia cerebral pré-natais são o uso de álcool e drogas e infecções maternas, por exemplo.

O acompanhamento pré-natal com o obstetra também é fundamental para evitar o parto prematuro, outro fator de risco para a paralisia cerebral. E claro, cuidados após o nascimento, especialmente com quedas ou lesões que atinjam o crânio.

Com informações da assessoria

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *