Bem-estar

Infecção urinária em gestantes pode gerar sérias consequências; saiba quais

 | 

Infecção urinária em gestantes não é uma coisa rara de se ver. Na verdade, de acordo com dados do Ministério da Saúde, de 17% a 20% das grávidas vão apresentar o problema de forma sintomática ou assintomática em algum momento da gestação.

A gravidez proporciona uma série de alterações fisiológicas e anatômicas e tudo isso faz com que a mulher esteja mais suscetível às infecções do trato urinário. Por isso, as futuras mamães devem ficar atentas a qualquer sintoma diferente no organismo durante esse período, pois a infecção urinária em gestantes pode causar sérios problemas para ela e também para o futuro bebê.

Leia também: Saiba qual a importância do ácido fólico na gravidez e antes dela

A ginecologista e obstetra Elis Akami, do Hapvida Saúde, explica que uma das principais alterações ocorridas na gravidez é a presença do hormônio progesterona. “O aparecimento desse hormônio, junto com a compressão do útero e a dilatação dos rins e todo o sistema coletor favorecem a migração de bactérias, causando a infecção urinária em gestantes”, explica.

Além disso, conforme a especialista, há um aumento do PH da urina, que é ácido justamente para proteger o organismo das infecções bacterianas. “Quando a mulher está grávida, esse PH fica mais elevado, se tornando alcalino e mais suscetível para as diferentes contaminações”, complementa.

Os sintomas mais comuns da infecção urinária do tipo cistite são ardência/queimação ao urinar; urinar várias vezes e em pequena quantidade, às vezes apenas gotas; presença de sangue na urina; urina turva e com mau cheiro, e dor abaixo do umbigo. Já os sintomas da infecção urinária do tipo pielonefrite são dor nas costas; febre alta; calafrios; náuseas e vômitos e urina turva e com mau cheiro.

Gestante - freepik

A infecção urinária em gestantes deve ter o tratamento iniciado imediatamente, para evitar as complicações tanto para a mamãe quanto para o bebê – fotos Freepik

Os indícios da doença podem ser facilmente identificados e o tratamento, dependendo do caso, pode ser simples. “A cistite merece atenção. Isso porque, se não for tratada adequadamente, pode evoluir e, além da bexiga, passar a prejudicar os rins”, afirma a doutora Elis Akami.

Assim que diagnosticada, a infecção urinária em gestantes deve ter o tratamento iniciado imediatamente, para evitar as complicações tanto para a mamãe quanto para o bebê. Entre as consequências citadas pela obstetra para a gravidez estão parto prematuro, paralisia cerebral na criança, asma, pneumonia e até mesmo aborto espontâneo.

Acompanhamento adequado

A especialista recomenda que a infecção urinária em gestantes seja tratada por um especialista, e que a grávida deve procurar seu médico responsável para receber a devida orientação, pois cada caso é um caso.

O tratamento da infecção urinária normalmente é feito com antibióticos. O tipo de medicamento e o tempo de tratamento, no entanto, vão depender do estado da pessoa e do tipo de bactéria existente.

Quando se trata de cistite, por exemplo, geralmente os sintomas melhoram após alguns dias de uso de antibióticos. O tempo de tratamento pode ser de um a sete dias. Já na pielonefrite, o tratamento pode ser prolongado, variando entre sete e 14 dias, podendo até mesmo haver necessidade de internação em casos mais graves, com administração de antibiótico endovenoso e medicamentos por via oral durante algumas semanas.

Leia também: Gravidez tardia e fertilidade. Quais os riscos? Especialista dá dicas importantes

Para prevenir a infecção urinária em gestantes, assim como na mulher de moda geral, o ideal é beber bastante água, fazer a higiene pessoal de frente para trás (no sentido da vagina para o ânus), urinar logo após as relações sexuais e evitar segurar a urina por muito tempo.

Entenda o que é infecção urinária

A infecção urinária é determinada pela multiplicação de bactérias ou fungos em qualquer parte do sistema urinário, como a uretra, ureteres, bexiga e rins. Na maioria das vezes a infecção ocorre na bexiga, causando cistite, ou no rim, gerando a pielonefrite, o que é muito mais grave.

A doença pode afetar pessoas de ambos os sexos, independentemente da idade, porém, predomina nas mulheres adultas. As mulheres estão mais predispostas a contraírem infecção urinária, por terem a uretra mais curta e mais próxima da vagina e do ânus. Por esse motivo, é extremamente importante ter atenção especial à higiene dessa região corporal.

filhos&tal

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *