Comportamento

Pai solteiro: como conciliar criação, trabalho e vida social?

 | 

Acordar às 5h, passar roupa, preparar o café da manhã, dar banho, arrumar o cabelo, calçar os sapatos, levar para escola, brincar, colocar para dormir, conversar, orientar, educar e ainda conseguir administrar o pouco de tempo que resta para sair com amigos. Esses não são ‘superpoderes’ apenas das mães. Tem muito pai solteiro que também consegue se desdobrar para criar os filhos sozinho e conciliar a paternidade à vida profissional e pessoal.

Assim é a rotina de Wendell Côrrea, que há 7 anos acorda todos os dias ainda quando o céu está escuro para organizar as atividades da filha Isabela. O paizão contou ao portal filhos&tal como equilibra suas obrigações de pai às necessidades da vida de um homem solteiro.

Leia também: Mães empreendedoras: os desafios de quem vive entre fraldas e negócios

“Diariamente, faço tudo para a Isabela. Dou banho, café, deixo e busco na escola. Durante a semana, trabalho como freelancer em uma agência publicitária, exercendo a atividade home office. Busquei uma forma de conciliar a minha profissão com a responsabilidade de pai. Cuidar da minha filha não é uma obrigação, é o meu papel de pai”, diz.

pai-solteiro-2

Entre um intervalo e outro do trabalho, Wendell faz questão de preparar o almoço da filha, descansar ao lado da princesa e logo depois sentar para acompanhar os exercícios da escola. Mas nem só dessas tarefas vive o paizão. Wendell aproveita a ajuda da sua mãe para fugir um pouco dessa rotina agitada de pai solteiro. Aos fins de semana, ele aproveita a folga para sair com amigos.

“Procuro participar o máximo da vida da Isabela, claro, sem esquecer da minha. Quando preciso sair para algum evento, deixo a filhota com a minha mãe ou com a mãe dela. Assim acontece quando necessito tirar aquele tempinho para me distrair e sair com os amigos. Mas meu programa preferido é sair com Isabela para passear na Ponta Negra, no shopping e nos parques de Manaus. Meu orgulho é vê-la crescendo saudável e inteligente”, ressalta o paizão.

Experiência própria

Situações semelhantes vive o repórter que vos conta essa história. Com uma filha de 6 anos (Maria Eduarda), e ciente das imensas responsabilidades de pai, tento administrar, da melhor maneira possível, as obrigações com minha filha, ao lazer da vida adulta e ofícios da vida profissional, sem misturar os deveres.

pai-solteiro-3

Muitas vezes preciso me transformar em ‘super-herói’ para conseguir finalizar todas as tarefas do dia. Mesmo após o fim do expediente, das obrigações da escola, preciso continuar exercendo algum papel de pai solteiro, nem que seja o de ‘motorista da filha’ (rsrsrs).

Muito inquieta, Maria Eduarda cobra, quase que todas as noites, para que eu a leve para passear em shoppings, lanchonetes ou apenas para visitar familiares. Mas confesso, exercer todos esses papeis: jornalista, filho, amigo e principalmente o de pai solteiro, é muito prazeroso.

Leia também: Filhos e carreira após os 35 anos; sim, é possível conciliar, mulheres!

Maria é uma fonte de inspiração para mim. Sua energia e a sua presença todos os dias em minha vida, são combustível para eu desempenhar minhas atividades com coragem e determinação. Hoje, faço tudo pensando nela. Mas sem esquecer que preciso viver a minha vida de adulto, como trabalhar, descansar e sair com os amigos. Minha mãe e o outro pai da Maria (meu ex-companheiro) são os suportes quando necessito de ajuda nessa rotina de pai solteiro.

pai-solteiro-4

Este ano, minha filha iniciou uma nova fase na vida escolar e precisou readequar seus hábitos para não prejudicar a rotina familiar. Hoje, ela estuda num colégio de regime militar, então tanto ela quanto eu tivemos que nos reorganizar para ajustar nosso tempo. Tive que diminuir as minhas saídas para auxilia-la nas tarefas de casa, porém, passo mais tempo ao lado dela e isso me proporciona uma felicidade indescritível. Eu amo trabalhar, passear, viajar, mas amo mais ainda chegar em casa e cuidar dela, colocá-la para dormir em meus braços. Isso não tem preço.

É um desafio enorme criar um filho sozinho, ainda mais quando é uma menina. É preciso ter disciplina para saber separar as situações. Maria veio para ensinar-me a ter serenidade, paciência e muita sabedoria nas tomadas de decisões.

Gerson Freitas
filhos&tal

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *