Bem-estar

Pediatra dá dicas de cuidados contra o Sarampo; saiba o que fazer

 | 

Infelizmente, o Sarampo voltou a assombrar nosso país, especialmente em estados do Norte, devido a chegada de imigrantes acometidos da doença. Para evitar mais vítimas, especialmente entre as crianças, a pediatra Karina Catique, do Hapvida, dá algumas orientações à população sobre dúvidas, procedimentos e cuidados contra o Sarampo.

Ela esclarece que o Sarampo é uma doença viral, infecciosa aguda, transmissível e extremamente contagiosa. Os sintomas são: febre e manchas vermelhas pelo corpo, acompanhadas, geralmente, de tosse, coriza ou Conjuntivite.

De acordo com a médica, que atende no hospital São Lucas, assim que apresentar estes sintomas, o paciente deve procurar imediatamente um pronto atendimento para que seja realizado o exame de diagnóstico da doença.

Leia também: Vacina contra meningite e HPV – não deixe seus filhos desprotegidos

Karina Catique ressalta, ainda, que, entre ou cuidados contra o Sarampo está a vacina, que é a forma mais eficaz de se prevenir a doença, sobretudo nos pequenos. Toda pessoa, de um a 49 anos, inclusive quem já teve a doença, deve se vacinar nas salas de vacinas disponíveis na rede pública.

O Sarampo é causado por um vírus altamente contagioso – 90% das pessoas sem imunidade que compartilham espaços com pessoas contaminadas contraem a doença. O vírus e é transmitido por de contato com gotículas do nariz, da boca ou da garganta da pessoa infectada, quando ela tosse, espirra e respira.

Basicamente, o paciente poderá passar por 3 fases da doença. Confira quais são elas e redobre os cuidados contra o Sarampo.

Prodrômica ou pródromo
Refere-se ao período de tempo entre os primeiros sintomas do Sarampo e o início dos sinais ou sintomas com base no diagnóstico. Nela, o paciente terá os sintomas iniciais da doença. Dura cerca de 2 a 3 dias.

Fase exantemática
Ocorre piora dos sintomas nesta fase, podendo ocasionar as seguintes complicações: erupções cutâneas que aparecem primeiro na cabeça e ‘descem’ com o tempo para os pés (desaparecem em 7 a 10 dias); secreções aumentadas nas vias respiratórias superiores; elevada produção de muco nos pulmões; voz rouca; faringe e boca inflamadas.

Fase descamativa
Nesta fase, as manchas escurecem, provocando uma descamação fina. Contudo, a febre e a tosse diminuem sensivelmente. Entre os principais sinais estão: Conjuntivite intensa, Pneumonia, Infecção no ouvido, Diarreia, Encefalite.

“Não existe tratamento específico, o que há é o tratamento para diminuir sintomas como a febre e a tosse. Quando o médico indica algum antibiótico, ele servirá para combater alguma possível complicação”, explica a doutora Karina.

A melhor e eficaz forma de prevenção é a vacina contra o sarampo. Ela tem eficácia em 97% dos casos. Também há anticorpos contra a doença, só que temporários. Eles são transmitidos pela placenta para os lactentes de mães que já tiveram sarampo, o que faz com que o bebê fique imune em seu primeiro ano de vida.

1 Comment

  1. Pingback: Enxaqueca em crianças pode ser sinal de Síndrome Periódica da Infância

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *