Bem-estar

Anemia em gestantes: dicas de prevenção e cuidados

 | 

A anemia em gestantes tem diversas causas e, se não cuidada, pode afetar o desenvolvimento do bebê e a saúde da mãe, por isso precisa de rápido diagnóstico e início do tratamento. Filhos&Tal conversou sobre o assunto com ginecologista obstetra Elis Akami, do Hapvida, e traz para suas leitoras algumas dicas de prevenção e cuidados.

Conforme a especialista, a principal causa da anemia é a falta de ferro, o que em gestantes é mais natural, pois o bebê recebe o alimento e o oxigênio através do sangue, ou seja, o corpo vai necessitar duas vezes mais do nutriente. Esta é chamada de ‘anemia ferropriva’ e é a mais comum.

Outro tipo mais frequente de anemia em gestantes é a ‘megaloblástica’, causada pela deficiência da vitamina B-12 e pela falta de folato, que assim como o ferro, durante a gestação, são mais demandados para suprir as necessidades do corpo, daí ser recomendado a suplementação dessas vitaminas durante a gestação.

Já a anemia ‘falciforme’ é hereditária (passada de pai para filho). Nela ocorre uma alteração dos glóbulos vermelhos, que ficam em forma de foice, e sua membrana rompe-se mais facilmente.  A gestante com casos de anemia na família, ou na do pai da criança, tem mais riscos de desenvolver a doença.

Ainda segunda doutora Elis Akami, também têm mais chances de desenvolver anemia as gestantes com doenças crônicas que causam má absorção de nutrientes, como a ‘doença celíaca’, além das que sofrem sangramentos, no caso das que têm placenta prévia (complicação onde a placenta se posiciona na parte inferior do útero, cobrindo totalmente o colo).

Leia também: Gripe em bebês; especialista dá dicas de prevenção e tratamento

Sintomas da anemia em gestantes

Os sintomas mais comuns de anemia em gestantes são fraqueza, falta de ar, palpitações no coração, cansaço e palidez nas mucosas.

A doutra Elis Akami orienta que, caso a grávida perceba algum desses sinais, deve procurar imediatamente auxílio profissional para confirmação da doença através dos exames apropriados. “Entre os exames para diagnóstico do problema estão o hemograma completo, para ver os ‘índices hematimetricos’, e a visualização da gota de sangue em lâmina, para ver a forma da hemácia”, explica a obstetra.

Prevenção e cuidados

Conforme especialistas, prevenir a anemia em gestantes não é difícil. Uma alimentação bem balanceada já é um bom começo, mas, se necessário, o obstetra poderá prescrever um ‘reforço’.

Para isso, a dieta da grávida deve ser conter carnes vermelhas e vegetais escuros, além dos alimentos ricos em vitamina C, que auxiliam na absorção do ferro.

A suplementação do ferro oral também pode ser feita.  “Toda gestante deve fazer uma prevenção para anemia tomando ferro e ácido fólico”, ressalta a doutora Elis Akami.

O procedimento para cuidar da anemia em gestantes é um tratamento com altas doses de ferro, se o caso for grave, o indicado é aplicação de ferro na veia e até bolsas de sangue.

Complicações

Se não tratada, a anemia em gestantes pode resultar em abortamento, óbito intrauterino (morte do feto antes da expulsão do corpo), hipoxemia fetal (diminuição ou ausência do oxigênio), prematuridade, ruptura das membranas ovulares, quadros infecciosos e restrição de crescimento fetal. Muitas vezes, as alterações são irreversíveis no desenvolvimento.

Além disso, quando o quadro de anemia não melhora até a hora do parto, complicações maiores podem ocorrer. “Como há perda sanguínea no parto normal e também na cesárea, há maior chance de a parturiente precisar de transfusão de sangue e ocorrer infecções”, esclarece a obstetra Elis Akami.

Ginecologista obstetra, Elis Akami