Bem-estar

Diabetes gestacional: o que é e como prevenir?

 | 

Você, futura mamãe, já deve ter ouvido falar em diabetes gestacional. Caso não, Filhos&Tal trouxe algumas curiosidades para as mamães que ainda têm dúvida sobre o assunto.

A gravidez é uma das fases mais marcantes na vida de uma mulher. A ansiedade de ver aquele pequenino em seus braços aumenta, o coração transborda de amor, os corpos mudam. Porém, nem tudo é um mar de rosas. Algumas grávidas são propensas a contraírem doenças graves, como anemias, hemorragias e diabetes gestacional.

Leia também: Mulheres grávidas devem se preocupar com a saúde vascular

Mas o que é diabetes gestacional?! Ela “aparece” só durante a gravidez? Que tipos de risco traz para a mãe e o bebê? Tem cura?

Segundo a endocrinologista Dorothy Carriço, o diabetes gestacional ou Diabetes Mellitus Gestacional (DMG) se dá pelo aumento dos níveis de glicose no sangue, hiperglicemia, que é possível reconhecer logo no início da gestação. “Nesse período, o corpo da mulher sofre diversas transformações hormonais, como elevação do cortisol, lactogênio placentário, progesterona e prolactina, para possibilitar o desenvolvimento do bebê. Com isso, a placenta produz hormônios que interferem na atuação da insulina, responsável pela captação e utilização da glicose”, explica a médica.

Ainda conforme a especialista, para compensar essa resistência à função da insulina, o pâncreas trabalha em dobro, e aumenta a produção do hormônio responsável pela redução da glicemia. “Caso ocorra falha nesse processo, sobrará açúcar na corrente sanguínea e as mulheres desenvolvem o diabetes gestacional”, complementa.

A boa alimentação é um dos fatores essenciais para prevenir o DMG

A boa alimentação é um dos fatores essenciais para prevenir o DMG.

A prevenção é a melhor aliada nesse momento. Para a profilaxia ou controle da doença, uma boa alimentação, prática de atividades físicas (sob orientação de um profissional) e acompanhamento de peso em intervalo de 30 dias são essenciais, podendo evitar até uma futura comorbidade. “Além desses cuidados, a realização de um bom pré-natal é fundamental para diagnóstico precoce de patologias da mãe ou do bebê, reduzindo o perigo para ambos”, aconselha Dra. Dorothy

Como eu posso identificar que tenho a doença?

O diabetes gestacional não apresenta sintomas comuns, portanto, é necessário fazer um teste glicêmico em jejum, para medir o nível de açúcar no sangue naquele momento. Para um melhor diagnostico, é recomendado que a gestante faça o exame da curva glicêmica ou teste oral de tolerância à glicose, para verificar a velocidade com que seu corpo absorve a glicose após a ingestão. O aconselhável é realizar o teste entre a 24ª e a 28ª semana da gravidez.

Se eu tiver, vou poder amamentar?

Sim, o aleitamento auxilia no combate aos diabetes. Mesmo que a mamãe tenha desenvolvido somente na gravidez e não continue após o parto, o risco de contrair o tipo 2 aumenta. A Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) orienta que a amamentação seja realizada para evitar uma futura manifestação da doença.

O diabetes gestacional pode ser “porta” para outras doenças?

O diabetes gestacional não é considerado uma “porta’’ para doenças, visto que é uma disfunção hormonal. É recomendado monitorar as alterações hormonais. Entretanto, em tempos de Covid-19, as gravidinhas, foram inclusas pelo Ministério da Saúde, no alto grupo de risco. Em nota, o Ministério justificou que as mesmas fisiopatologias, ou seja, as funções do organismo, do H1N1, estão presentes na Covid-19, assim proporcionando um risco letal a esses grupos. “O risco é semelhante, embora ainda não tenha um estudo específico para o novo Coronavírus”, diz a endocrinologista Dorothy Carriço.

Leia também: Tire sua dúvida: mães com sintomas de Coronavírus podem amamentar?

A doença pode afetar qualquer gestante, porém, alguns fatores podem dobrar as chances das mulheres desenvolverem o diabetes gestacional, como: sobrepeso e obesidade no início da gestação; antecedente de diabete gestacional em outras gestações; mães que deram à luz a um bebê com macrossomia, bebês acima de quatro quilos; mulheres com histórico de familiar de diabetes; mulheres a partir de 30 anos e com diagnóstico de ovários policísticos; diagnóstico de pré-diabete e; hipertensão arterial induzida pela gravidez.

A médica aconselha que, para não adquirir nenhuma doença durante a gravidez, um bom acompanhamento médico e pré-natal são essenciais. Algumas mulheres já são propensas a desenvolverem doenças, então, garantir um cuidado antes de engravidar é primordial. “Atentar-se para o controle glicêmico e de vitaminas, principalmente para vitamina D, que não podem ser insuficientes durante o período gestacional, manter um peso ideal e uma boa hidratação são indispensáveis para as mulheres que desejam engravidar e para as gestantes”, enfatiza.

Ana Maria Azevedo
Especial Filhos&Tal