Gravidez

Gravidez, estudo, pesquisa e realização: mãe diz que é possível conciliar

 | 

Gravidez não é empecilho a nenhum tipo de realização. Trabalhar, estudar, sonhar e concretizar um projeto profissional é perfeitamente possível quando há planejamento. É o que diz a jornalista Jonária França, que engravidou e pariu durante o processo de doutorado em comunicação. Ela gentilmente aceitou compartilhar sua experiência com as leitoras de filhos&tal. Confira:

“Ser mãe e pesquisadora dá certo sim!”

Há tempos, minha colega de profissão e editora do portal filhos&tal, Yndira Assayag, pediu-me para escrever sobre a experiência da maternidade. Na verdade, para ser mais exata, há um ano de sete meses. Tempo de vida da minha filha, Marissol. Uma menina super cheia de energia e de sorriso muito fácil. Durante esse período de espera para dar início à escrita sobre esse meu novo momento, cada desafio e conquista vinha seguido de um pensamento: poxa, isso aqui bem que podia ser compartilhado com outras pessoas, em especial, as mães.

Gravidez e pesquisa 2

Eis que esse dia chegou, e num momento em que estou muito mais tranquila com relação ao maior desafio dos últimos cinco anos: concluir minha pesquisa de doutorado, cuja defesa ocorreu em setembro de 2018. Sim, eu resolvi engravidar ainda quando estava finalizando o processo de análise de minha pesquisa doutoral. O fato de estar fazendo uma pesquisa que requer um intenso grau de dedicação, levava muitos dos meus colegas a me questionarem como eu estava conciliando tudo aquilo.

Leia também: Os perigos de tentar voltar ao corpo de antes da gravidez logo após o parto

Refletindo sobre isso, aponto algumas situações primordiais para um desfecho feliz e desejado: a defesa com louvor da tese e que agora quero dividir com os leitores de filhos&tal.

A começar, para quem está pensando em fazer um curso de pós-graduação stricto sensu (mestrado, doutorado), é importante primeiramente avaliar se o seu orientador é uma pessoa que entende o teu momento. Eu tive a sorte de ter uma orientadora que parecia entender muito mais o meu momento gravidez e o período pós-parto do que eu: foi ela quem me chamou e disse para que eu vivesse e aproveitasse tudo aquilo que eu estava passando. Sim, de fato, viver o meu momento foi importante e motivou ainda mais a concluir minha pesquisa, após todo o processo (gravidez, parto, primeiros dias de vida da Marissol), com muito mais afinco.

Gravidez e pesquisa 3

A outra coisa que considero importante para quem está nesse processo de pesquisa, é planejar o tempo em que poderá engravidar. De preferência, escolha a gravidez após a qualificação, pois esse é um momento de maior intensidade e cobrança para o estudante, que precisa cumprir prazos.

No geral, os programas de pós-graduação exigem a qualificação no segundo ano de estudo em nível de doutorado (o curso dura quatro anos) e um ano em nível de mestrado (o curso dura dois anos). Você se sentirá mais tranquila para encarar a gravidez sem o peso do cumprimento dos prazos. Além disso, a escrita requer dedicação tanto para horas de leituras quanto para produção do texto. Isso significa horas sentada a frente do computador, o que traz desconforto para a grávida e pode ser prejudicial à saúde por conta das mudanças do nosso corpo nesse período.

Gravidez e pesquisa 4

Outro fator a ser pensado é sobre o cumprimento das disciplinas. Se você quer engravidar durante a fase de doutoranda ou mestranda, corra para dar conta das disciplinas antes da gravidez, pois, muitas mulheres acabam tendo sonolência e enjoos incontroláveis.

Leia também: Hidratante ajuda a evitar estrias na gestação. Mito ou verdade?

Dar conta das leituras, dos artigos, resumos etc., pode ser complicado e trazer resultados negativos com relação às notas ou conceitos nas disciplinas cursadas.

No mais, se planeja uma gravidez e está doutoranda ou mestranda, saiba que é possível sim. Basta se organizar, planejar com antecedência suas obrigações que tudo dará certo. E o mais importante, tenha uma gravidez tranquila. Faz bem para você e para o bebê.

Jonária França

jornalista (UniniltonLins), especialista em gestão de pessoas (UGF), mestre em ciências da comunicação (Ufam), doutora em comunicação (UFSM) e profa. de Jornalismo (Uninorte)

1 Comment

  1. Pingback: Strong as a mother - Forte como uma mãe

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *