Bem-estar

Gripe em bebês; especialista dá dicas de prevenção e tratamento

 | 

Difícil de prevenir e curar em adultos, a gripe em bebês pode se tornar um incômodo à família toda, ainda mais quando ele é recém-nascido e até a faixa dos seis meses, quando o corpo ainda está começando a formar seus sistemas de defesa. Daí a importância de cuidados redobrados por parte dos pais. Para ajudá-los, Filhos&Tal buscou ajuda junto à pediatra do Hapvida, Helem Cristina Silva, que deu importantes orientações sobre o tema.

Segundo a médica, os recém-nascidos são mais suscetíveis devido a sua baixa imunidade, e o leite materno é de suma importância para o desenvolvimento do sistema imunológico do bebê, protegendo-o da gripe e outras doenças infecciosas, além de ajudar no ganho de peso.  “O leite materno é considerado a primeira vacina do bebê, ele provê proteção indiscutível ao recém-nascido por meio de anticorpos maternos”, explica.

Ainda de acordo com a pediatra, o leite da mãe é o principal alimento, é a melhor proteção aos recém-nascidos. Já nos bebês mais crescidinhos, os alimentos ricos em vitamina C, como acerola, brócolis, goiaba, acerola, caju, entre outros, ajudam no desenvolvimento da imunidade e prevenção à gripe em bebês.

Leia também: Contato pele a pele entre mãe e bebê estimula produção de leite materno

A vitamina C farmacêutica também auxilia na proteção. “A vitamina C ajuda e fortalece as defesas do organismo no sistema imunológico: contribui para a proteção das células contra a ação dos radicais livres (espécies reativas de oxigênio) geradas pela resposta inflamatória”, esclarece Helem.

A especialista também esclarece as diferenças entre resfriado e gripe em bebês: “o primeiro se apresenta com sintomas respiratórios mais leves, como tosse, coriza, obstrução nasal, febre baixa. Já a gripe compromete o estado geral da criança, com febre alta, calafrios, tosse, dor na garganta”.

pediatra-helem-cristina-da-silva-hospitais-hapvida

Helem Cristina da Silva, pediatra do Hapvida

Remédios caseiros

Muitos pais e, principalmente, avós, têm o costume de usar produtos naturais para a produção dos chamados ‘remédios caseiros’, como a mistura de mel, limão, alho e gengibre, acreditando numa possível melhora, devido às suas riquezas nutricionais. No entanto, no caso de recém-nascidos e menores de 6 meses – que são integrantes de grupos mais vulneráveis às complicações – não se deve oferecer nenhum tipo de remédio caseiro antes de ouvir um profissional médico. Caso haja aparecimento de sintomas de gripe em bebês, estes devem ser levados, imediatamente, uma unidade de saúde. O pediatra é quem irá analisar o quadro e recomendar o antiviral mais adequado, quando houver necessidade.

É de extrema importância o acompanhamento especializado durante o tratamento, pois assim como em qualquer pessoa, a gripe em bebês pode evoluir para problemas respiratórios mais sérios, como explica a Dra. Helem. “A gripe pode causar complicações graves sim, como a pneumonia, bronquiolite entre outras doenças respiratórias e até mesmo levar à morte”, frisa, ressaltando que, por isso, os cuidados com recém-nascidos, inclusos no grupo de riscos devido sua extrema fragilidade, devem ser redobrados, pois eles tem maior risco de internação e mortalidade.

médicos-na-consulta-de-gripe-em-bebes

Mudanças bruscas de temperatura

Ainda segundo a médica do Hapvida, é preciso ter também grande precaução com a temperatura do ambiente, principalmente devido as mudanças bruscas, que acontecem muito rapidamente. Os bebês ainda não têm controle de manutenção da temperatura do seu corpinho, por isso, ficam mais suscetíveis a oscilações. A hipotermia (temperatura corporal baixa), é muito prejudicial para o recém-nascido, sendo assim, deve-se evitar o banho frio e a noite, banhando-o apenas nas horas mais quentes do dia e em poucos minutos.

Outras medidas que os adultos podem tomar em relação a proteção do bebê é sempre higienizar as mãos antes de tocá-los, fazer a lavagem manual dos brinquedos e mordedores, utilizar lenços descartáveis para limpeza de secreções nasais, evitar contato com indivíduos doentes e lugares com muito aglomerado de pessoas, como shoppings, cinemas, restaurantes, praças e parques até que o bebê esteja bem fortalecido.

Por Luan Martins

Especial para Filhos&Tal