Educação

Jogos educacionais ajudam a diminuir reprovação em matemática, saiba como

 | 

A Escola Municipal Professor Lázaro Sagrado, de Colorado (PR), registrou uma queda de cerca de oito vezes no nível de reprovação de seus alunos em matemática. O motivo foi a implantação do sistema de jogos educacionais para o ensino da disciplina durante o ano letivo de 2017.

O colégio do interior do Paraná registrou, em 2016, um nível de reprovação em matemática da ordem de 30,7%. Já no ano seguinte, com a plataforma de gamificação, a escola viu o índice de reprovação em matemática cair para apenas 4% do total de alunos matriculados do 2º ao 5º ano, hoje com 96 estudantes.

Leia também: Os números são um ‘bicho papão’ para o seu filho? O problema pode ser discalculia

O sistema de jogos educacionais matemáticos da Escola Municipal Professor Lázaro Sagrado foi desenvolvido e fornecido pela startup israelense Matific, especializada em gamificação para o ensino da matemática da educação infantil até o sexto ano. A mesma ferramenta é utilizada atualmente por cerca de 100 mil alunos da rede pública e privada, somando mais de 260 colégios.

Jogos educacionais 2 - Freepik

A plataforma da Matific conta com 1,6 mil jogos pedagógicos alinhados com o currículo escolar de cada região do país. A empresa também disponibiliza cerca de 600 planos de aula para contribuir com a organização da aula, além de relatórios de desempenho dos alunos de forma automática e em tempo real. O programa é online e tem atualizações a cada seis semanas, com acréscimo de jogos e outras funcionalidades.

“O sistema de aprendizagem Matific incentivou as crianças a internalizar conhecimentos e regras matemáticas. Trata-se de um processo de autodescoberta guiada que aprofunda a compreensão cognitiva do aluno, além de proporcionar um sentimento de conquista individual”, comenta Fernanda Veronica Sena Souza, Secretária Municipal de Educação, Cultura e Esportes de Colorado.

“Ensinar matemática por meio da gamificação substitui a visão negativa de que a disciplina é chata e difícil. A tecnologia educacional, quando bem aplicada e alinhada ao pedagógico, é uma grande ferramenta para os educadores e, ao mesmo tempo, se aproxima da realidade de uma geração que está acostumada com os sistemas digitais”, acrescenta Dennis Szyller, diretor da Matific no Brasil.

Com informações da assessoria