Bem-estar

Luto infantil: como ajudar a criança a superar a perda de alguém

 | 

A morte faz parte da vida e, no atual cenário de pandemia, ela parece estar ainda mais próxima de nós, já que é destaque diário nos meios de comunicação. Nesse contexto, muitas crianças têm vivenciado a perda de alguém, seja parente ou amiguinho. Mas como lidar com o luto infantil? Como ajudar a criança a superar a perda de um ente próximo, ou mesmo fazê-la entender a dura realidade da ausência repentina de um ser amado?

Segundo especialistas, as crianças são esponjas, e podem absorver tudo a sua volta, mesmo os sentimentos mais tristes e dolorosos. Thatyanny Fernandes, psicóloga clínica da infância e da adolescência, fala que os pequenos também sentem as ausências, e embora a assimilação seja diferente, é necessário abordar o assunto com eles de forma sensível e verdadeira, explicando que a morte faz parte do ciclo natural da vida.

“Esconder a verdade não é uma boa opção. Quando isso acontece, as crianças tendem a criar fantasias sobre essa ausência, o que lhes causa ainda mais sofrimento. Todos nós temos o direito de saber a verdade”, aconselha.

A psicóloga acredita que a paciência e o dialogo sempre são o melhor caminho quando se trata de um assunto delicado como o luto infantil. Diante da perda de alguém, é importante respeitar e observar como a criança reage, sempre lembrando que momentos assim são inevitáveis para o desenvolvimento emocional do ser humano. “Sentimentos de dor, solidão e tristeza costumam fazer parte do processo de lidar com a ausência de um ente querido, e passar por esse momento é necessário”, afirma a psicóloga.

Para que as crianças entendam o significado de morte, é necessária uma contextualização sobre o momento, e os sentimentos de tristeza e dor fazem parte do luto infantil, por isso existem diversas maneiras de reagir e encarar o falecimento de alguém.

“Não existem receitas infalíveis para se comunicar um falecimento, ou ajudar a criança a superar a perda de alguém. Mas algumas atitudes não são aconselháveis, como negar a morte, fingir que nada aconteceu, retirar as lembranças do falecido (a) do ambiente ou mudar de assunto quando a criança perguntar por ele (a), embora muitas pessoas ajam assim para ‘poupar’ a criança”, comenta.

Conforme Thatyanny Fernandes, mesmo que a intenção seja proteger as crianças de passar pelos sofrimentos do luto infantil, ao privá-las da verdade, também as privamos de emoções e sentimentos que precisam ser entendidos. Neste sentido, a psicóloga aconselha que os pais ou responsáveis conversem e dividam o fardo do luto.

“Durante o processo de luto infantil, o adulto pode ajudar a criança acolhendo seus sentimentos e permitindo que ela expresse verdadeiramente suas emoções. Quando o processo de luto acontece com todo suporte e apoio, a tendência é que a criança supere a perda de alguém de forma saudável, aprendendo a lidar com o sofrimento de forma menos traumática”, explica à psicóloga.

O processo de luto infantil pode ser mais ou menos doloroso dependendo da idade da criança, e os significados e símbolos serão entendidos de acordo com o seu crescimento, mas é importante criar uma rede de apoio familiar, onde todos possam passar por esse momento delicado da melhor maneira possível. “Lidar com o luto em família, dividindo a dor, é uma maneira de fortalecer os laços dos que ficaram e de promover o processo de readaptação a todos”, explica Fernandes.

Leia também: Saúde mental das crianças em isolamento deve ser cuidada, diz psicólogo

‘A música do Vovô’

O longa-metragem ‘Viva – A vida é uma festa’, inspirado no feriado mexicano do Dia dos Mortos, é uma obra cheia de significados, e traz uma abordagem bastante lúdica e poética sobre morte, lembranças, perdão, cultura e ancestralidade. Foi com a música ‘Lembra de mim’, da trilha sonora do filme, que Lavínia, de apenas 3 anos, conectou a partida do seu bisavô e está passando pelo luto infantil.

Devido à pouca idade, a menina ainda não compreende totalmente o contexto do falecimento do bisavô, por isso a mãe, Gleyce Dinelly, 22, resolveu explicar de maneira mais lúdica, através do filme e da música. “Foi a melhor maneira que encontramos para explicar que, apesar da morte, estaremos sempre próximos daquele que amamos”, conta.

“A música do vovô”, como Lavínia costuma lembrar quando canta, fala sobre partidas e lembranças.

Leia também: Covid-19: crianças merecem cuidados especiais durante a pandemia

Vamos falar sobre o luto?

Numa tentativa de quebrar o tabu sobre o assunto ‘morte’ e explicar o luto, a plataforma digital de informação ‘Vamos falar sobre luto?’ vem trazendo conteúdos para os pais, responsáveis, familiares, professores e profissionais que lidam com essa experiência.

O projeto nasceu em novembro de 2014 e oferece conteúdo, ferramentas e caminhos que podem ser seguidos para enfrentar o luto, além de possuir conteúdos voltados para a explicação sobre morte e luto infantil.

Segundo a plataforma, ‘Viver o luto. Reinventar a vida’ é uma maneira de levar amor e  conforto para quem está passando por um momento tão delicado.

 

Texto: Thayssa Castro

Edição: Yndira Assayag