Bem-estar

Tire sua dúvida: mães com sintomas de Coronavírus podem amamentar?

 | 

Muitas dúvidas surgiram entre as famílias devido à doença causada pelo novo Coronavírus, a Covid-19, que se espalhou pelo mundo inteiro. Entre as algumas relacionadas à amamentação de recém-nascidos e de bebês em aleitamento complementar, até os dois anos.  Mas será que mães com sintomas de Coronavírus podem amamentar?

Segundo a enfermeira e consultora materna Eurania Pinheiro Pita, a orientação para as mamães que estão amamentando e testaram positivo para o Covid-19 é que não deixem de amamentar seu bebê. Uma vez que a imunização dos bebês se dá através do leite materno. “Quando a mãe tem Covid-19, o corpo dela produz anticorpos para que o bebê tenha esses anticorpos no corpo e não apresente a doença”.

A higienização também é um passo importante antes de amamentar. “Deve-se lavar as mãos e usar a máscara, caso não queira contato do bebê ao peito, é orientado ordenhar o leite e usar a colherzinha ou copinho alimentador”, ressalta.

As grávidas e lactantes não são grupos de riscos, porém, pode se desenvolver uma complicação, caso haja algum quadro de doença respiratória.

A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é que as grávidas continuem amamentando os bebês, mesmo contaminadas, pois o bebê também envia informações para a mãe através da amamentação. “Suponhamos que o bebê esteja com o vírus e a mãe não, ele manda informação para o cérebro da mãe, na parte imunológica, pelo contato da boquinha com o seio materno, e assim a mãe produziria anticorpos para o neném combater o vírus que serão enviados através do leite”, explica a consultora.

Leia também: Contato pele a pele entre mãe e bebê estimula produção de leite materno

As orientações da enfermeira sobre se as mães com sintomas de Coronavírus podem amamentar ou não são embasadas pelo Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), segundo o qual a amamentação pode ocorrer normalmente, mesmo em mulheres diagnosticadas com a Covid-19, visto que os benefícios do aleitamento superam os riscos de transmissão.

Em publicação datada de 13 de março deste ano, em seu site, a SBP informa que “conforme publicado no periódico científico The Lancet, foi analisada a presença do vírus no líquido amniótico, sangue do cordão umbilical, leite materno e swab da orofaringe do recém-nascido em pacientes com pneumonia causada pelo COVID-19. Nessas amostras os resultados foram negativos. Portanto, até o momento não há documentação de transmissão vertical durante a gestação e nem no período neonatal, pela amamentação”.

Entendendo o Covid-19

A doença infecciosa é causada pelo novo Coronavírus e como é muito recente, os corpos não possuem defesa própria, por isso se desconhece remédios e tratamentos para ela.

O vírus é transmitido de pessoa a pessoa através de gotículas, da boca ou nariz, ao espirrar, tossir, falar ou entrar em contato com superfícies infectadas, já que o vírus ‘pousa’ em objetos.  Por isso, a contaminação também pode acontecer pelos olhos, depois de um contato com algo ou alguém infectado, daí a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de manter-se longe dos outros em até 1,5 metros de distância e higienizar sempre as mãos após contato com celulares, barras, corrimãos, maçanetas e outros objetos.

A Covid-19 tem os sintomas parecidos com um de uma gripe comum, podendo haver tosse seca, dor de garganta, cansaço, febre e coriza.

Filhos&Tal