Bem-estar

Maternidade Moura Tapajós atualiza protocolo de nutrição em obstetrícia

 | 

A Maternidade Moura Tapajóz, na Compensa, zona oeste de Manaus, está com novo protocolo de nutrição em obstetrícia. Os profissionais da unidade de saúde participaram, nesta terça-feira (11), de um o workshop de atualização dos procedimentos na área de alimentação.

O evento, que aconteceu no auditório da maternidade, foi ministrado pela médica obstetra Cristiane Pacheco juntamente com a chefe do setor de Nutrição da MMT, Bernadete Medeiros, e contou com a participação de profissionais médicos, enfermeiros, nutricionistas e psicólogos das quatro maternidades participantes do Projeto Ápice On em Manaus: Ana Braga, Balbina Mestrinho, Moura Tapajóz e Instituto da Mulher Dona Lindu.

Maternidade-Moura-Tapajós-atualiza-protocolo-de-nutrição-em-obstetrícia

“A nutrição é uma ciência completa e cada dieta deve ser, obviamente, adequada à situação específica, no entanto, hoje, nosso objetivo principal é deixar claro que a dieta da parturiente (mulher que está em trabalho de parto ou que acabou de parir) não deve ser zero, pois já resta comprovado que não traz benefícios”, explicou a nutricionista Bernadete Medeiros, autora do Manual de Dietas Hospitalares da MMT.

Leia também: Depilação em gestantes: especialistas orientam não fazer sozinhas em casa

De acordo com a profissional, a alimentação líquida oral no pré-operatório (2 a 3 horas antes da cirurgia) foi declarada segura e benéfica para a paciente, evitando a desidratação e a sede e não sendo relacionada a risco de aspiração, regurgitação ou de mortalidade em relação a pacientes sob protocolos tradicionais de jejum.

Segundo a médica obstetra Cristiane Pacheco, a atualização do protocolo de nutrição em obstetrícia teve o objetivo de qualificar e padronizar o cuidado e o atendimento às parturientes nas maternidades do Sistema Único de Saúde (SUS). “Essas normas de dieta visam à facilidade de digestão e ao esvaziamento do aparelho digestivo de forma mais rápida, têm respaldo científico e já foram adotadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS)”, afirmou a obstetra. “Precisamos seguir capacitando nossos profissionais e quebrando paradigmas e antigos conceitos”, completou a obstetra.

Com informações da assessoria

Fotos: divulgação Semsa