Útil&Fútil

Não é fácil, mas dá para tornar a maternidade mais leve

 | 

Quando engravidei, um dos meus maiores medos era ser uma mãe “carga pesada”. Aquela mãe estressada, que grita por qualquer coisa, vive mal-humorada e reclama para todo mundo que está cansada. Aquela que não deixa a filha engatinhar no cimento, nem correr no condomínio, nem fazer alguma coisa “porque não!”.

Eu sempre fui muito responsável, tive rotinas de trabalho bem puxadas e me sentia carregada assim no dia a dia. Sem filhos! Imagine com mais uma responsabilidade e atribuição?! Ledo engano.

A maternidade aflorou em mim a vontade de ser uma pessoa melhor e comecei a buscar formas de me conhecer e me desenvolver como pessoa para poder dar mais e melhor para minha filha. Junto com esse crescimento pessoal, descobri uma forma bem mais leve de levar a vida. Entendi que se a minha carga está pesada demais, o meu dia não rende, meus momentos com minha filha se tornam estressantes e as noites com meu marido não são agradáveis.

maternidade-mais-leve-2

Quando nos sentimos leve, vivemos a vida com mais alegria e somos capazes de rir de pequenos problemas do dia a dia. Quer fazer um teste?

Leia também: Felicidade: uma escolha diária

Imagina que você está em cima da hora para o trabalho, todos prontos para sair de casa e seu filho menor faz um ‘número 2’, que empesta a casa e suja todo o uniforme da escola. Como você agiria?

A) Exclamaria: “pelo amor de Deus, que cagada poderosa! Já pro banheiro!” Jogaria a roupa suja na pia e tiraria só o excesso com água para finalizar a lavagem depois, lavaria o bumbum e o arrumaria todo de novo comentando o quão bombástico foi esse número 2!

B) Chamaria um palavrão bem feio, perguntaria se ele não tinha outra hora pra fazer isso, tiraria a farda ainda xingando os 7 ventos, ia para o tanque esfregar a farda até ficar branquinha, enquanto a criança espera de castigo no banheiro, vestiria a criança e sairia de casa gritando que seu dia começou programado para dar todo errado.

Dá para perceber de longe a diferença de energia. Podemos até prever que uma pessoa seguirá seu dia normalmente e a outra vai ver problemas em tudo o que cruzar o seu caminho.

Quando falo em uma maternidade mais leve, é preciso lembrar que as obrigações da maternidade fazem parte do nosso dia a dia. Se estivermos passando por algum problema mais grave, fica mesmo difícil criar uma rotina mais agradável. Mas se os problemas forem os rotineiros ou a sobrecarga, podemos nos organizar para melhorar isso. Podemos pensar em como tornar a rotina mais leve, em como encontrar tempo para cuidar de si mesma e em como resolver ou melhorar o que mais nos chateia no dia a dia.

Vejo muitas mães conformadas com situações que, às vezes, podem ser resolvidas. Vejo mulheres tão exaustas que não encontram tempo para procurar soluções. Que não tem tempo para se questionar: como posso fazer para meu filho dormir melhor? Comer melhor? Ficar menos entediado? Ser mais obediente?

Hoje em dia, temos acesso à muita informação na internet. Não precisamos sair de casa para aprender coisas que podem resolver muitos de nossos problemas. Mas precisamos ter em mente que tudo piora antes de melhorar e que passar por uma fase mais cansativa que o normal para resolver alguma questão pode garantir uma situação muito mais agradável em breve.

O importante é ter em mente que viver de forma mais leve vai tornar nossa vida infinitamente mais alegre. E que podemos nos esforçar para mudar, ou ao menos, melhorar o que está impedindo isso.

E o que você pode fazer para encarar a vida e a maternidade com mais alegria e leveza?

1. Pratique a gratidão. Quando somos gratos pelo que temos, atraímos mais coisas boas para nossa vida, pois se valorizamos o que é nosso, nos tornamos merecedores de ainda mais. E ao enxergar motivos para ser grato, até nos momentos difíceis, somos capazes de extrair algum aprendizado, o que nos transforma em pessoas melhores e mais merecedoras de coisas incríveis.

2. Reclame menos. Quando reclamamos, focamos apenas no problema e não enxergamos as alternativas disponíveis para resolvê-los. Além disso, criamos uma energia pesada e acabamos afastando as pessoas que amamos e nos privando cada vez mais de viver bons momentos. Encare como um desafio e respire fundo quando a vontade surgir. Quem muito reclama, não valoriza o que tem e não está pronto para receber coisas melhores.

3. Não se compare, nem julgue as outras pessoas. Tenha em mente que sempre vai haver alguém em situação melhor e pior que a sua, e que a sua vida hoje é reflexo das suas atitudes e decisões do passado, assim como a vida que outra pessoa tem é a colheita (boa ou ruim) dos plantios anteriores dela.

4. Tenha fé. Não importa sua religião, ou se você acredita em Deus ou no Universo, mas entenda que existe uma força maior que explica tudo. Quando algo desafiador acontece e você tem fé, você não fica se lamentando, nem questionando. Você pode até sofrer, mas entende que aquela dor tem algum motivo para existir e que aquele desafio trará algum aprendizado ou recompensa, que você, provavelmente, só entenderá mais tarde.

5. Solucione seus problemas. A maternidade é cheia de desafios, e não é porque demos à luz que somos obrigadas a saber resolver sozinhas todos eles. Muitas vezes, aceitamos determinadas situações por não buscarmos as informações necessárias ou por não querer pedir ajuda. Se a criança dorme mal, uma consultoria do sono pode ajudar; se a criança não obedece, você pode buscar informação sobre disciplina positiva; se você se sente extremamente sobrecarregada, é hora de expandir sua rede de apoio. Abra sua mente para novas soluções.

6. Cuide de você. Já dizem as comissárias de bordo: “Máscaras de oxigênio cairão sobre sua cabeça. Coloque primeiro em você, e depois, nas pessoas ao seu lado”. Se você não conseguir respirar, como poderá ajudar alguém? Na vida, também funciona assim. Se você não está se sentindo bem, como pode ser boa para seus filhos, marido, para seu trabalho ou para sua casa? Procure fazer algo que te faz bem, cuidar do que te incomoda e buscar a sua melhor versão. Só assim, você conseguirá dar o seu melhor para as pessoas que você ama.

7. E por fim, não se cobre tanto. Ria das coisas bobas. Se entregue ao momento de brincar com seus filhos. Faça caretas e cante mudando a voz. Ensine coisas novas e comemore cada aprendizado. Coloque uma música alta e dancem juntos. Roube abraços apertados e faça massagem em pezinhos de chulé. Deixe sair sem penteado, às vezes. Tirem fotos juntos, mesmo descabelada ou com a unha por fazer; elas serão a única lembrança física desses momentos gostosos. Faça cócegas e dê gargalhada junto.

E enfim, não leve tudo tão a sério. Aceite o novo ritmo que a maternidade trouxe para sua vida e dance conforme a música. Entre tropeções e atropelos, vamos encontrando o compasso certo!

 

 

Vanessa-Marques

 

Mãe da Duda
Digital influencer no instablog Util&Futil
@utilefutil_

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *